quarta-feira, 29 de abril de 2015

PIMENTA NOS OLHOS DOS OUTROS É....REFRESCO!



Já me questionaram várias vezes se o que eu escrevo, ou o que vou escrevendo tem a minha visão direccionada para alguma ou algumas pessoas. Já leram, já foram comentar, já me confrontaram com o que escrevo e de várias pontos que são passíveis de serem questionados, já o fui. Porquê? Com que intuito? Que razões existem? Dá sempre a sensação que em algum momento da minha escrita, passo a ideia de que o sofrimento, amor, honra, qualidades ou defeitos são a minha bandeira de propaganda. Dá a sensação que ferido de vários cortes não vejo outra forma senão esta minha de explanar o que sinto ou possa eventualmente pensar. Dúvidas que possam subsistir, vou tentar retirar essas dúbias dúvidas. 

Acima de tudo tenho um prazer imenso em escrever. Escrever para mim  reveste-se de uma importância fulcral. Para mim mesmo, para aqueles que gostam de acompanhar e acima de tudo, poder ter vivenciado tantas coisas e ter a minha própria visão sobre as mesmas. A escola da vida ensina-nos imensamente, o olhar se era de uma forma vai nos modificando na medida em que vamos passando por diversas situações. A forma de ver, de sentir, de perceber até num todo muda radicalmente em vários sentidos.

Tudo o que escrevo é a definição de quem sou, como sou e como vejo os outros, como vejo os acontecimentos que vamos passando, obviamente estando eu na linha da frente. Escrevo sobre ex namoros, mulheres, amigos, amizades perdidas e ganhas, escrevo sobre a vida, o conceito que penso que deveríamos ter em relação a tanta coisa. Afinal só mesmo passando por elas é que podemos lá na frente melhorar em algo e porque não melhorarmos nós mesmos! E se com o que escrevo puder também ajudar alguém na sua forma de ver as coisas, melhor ainda! Escrevo sobre traições, guerras, desgostos, tristezas, alegrias, choros, desgraças, conquistas, perdas. Escrevo acima de tudo com a alma colada ao coração. Tenho perfeita noção de que a visão de um não é a visão de outro. Que as histórias e enredos de uns não são as histórias e enredos dos outros. 

Fico perplexo quando me perguntam se eu estava a escrever sobre A, B ou C! Ou melhor...indirectamente se escrevo particularizando alguém! Sim!! Óbvio!! Tudo e todos! Mas isso é alguma novidade nos anos que já tenho blogs? De que forma poderia eu escrever se não tivesse vivenciado tantas situações que pudesse hoje falar e entender tantos conceitos ligados a elas?

Já coloquei tanta gente lá em cima nos píncaros como cá em baixo! Nunca fui ofensivo na escrita ( e se fui foi porque foi merecido!) , nunca aqui ridicularizei ninguém a não ser que o barrete servisse a alguém. Mas detesto esta forma que me chega aos ouvidos que alguém leu o que escrevi e vai a correr contar!Por mim, tudo bem! Quem lê o que escrevo, só me deixa humildemente feliz! É como se alguém acabasse de cometer um assassinato e fosse à policia contar o sucedido. (Nada mais normal aqui...!).

"Olha...o Bruno está a falar sobre ti ou de vocês"! Descobriram a pólvora!! É fantástico para mim que eu possa explanar numa ou várias linhas o que vou deduzindo. E aliás o que eu deduzi,  aprendi e reformulei para mim ao longo dos anos com várias pessoas. Isso faz de mim exactamente quem sou e como sou. 

O intuito na escrita não é escrever um livro de mágoas, de mal amado, de tristezas, de subornos, corrupções, traições, de paz de mundo, de concepções de ataque aos outros. O intuito, o meu intuito é a revelação de como podemos mediante certas situações reagir, alterar, entender, direccionar e fazer por onde! É uma questão de lógica abrangente e dedutível na forma como olhamos. E talvez por ter uma forma de ver mais sensível que muitos ( Devo ter sido gaja em outra vida) a minha visão e percepção rápida dos acontecimentos fazem com que traduza na escrita o que vejo e sinto. Não um fazemos um pouco todos também?

Ao longo dos anos vou percebendo nas pessoas mesmo com as criticas que temos, fazemos, reproduzimos, uma resistência feroz tantas vezes aos nossos e erros dos outros. E ao longo dos anos sempre percebi que a nossa história, as nossas vivência contada aos outros e vista pelos outros é pimenta em forma de refresco. 

Cada um defende a sua dama com unhas e dentes. Porque cada pessoa, amizades, tem a sua forma de defesa, de percepção, muitos de algo que não viveram e não sabem. Defendemos e atacamos muitas vezes histórias mal contadas, percepcionadas erradamente, por quem nunca vivenciou. Contamos sempre histórias da forma que mais nos convém contar nos diversos momentos que vai se tornando mais propicio contar. E cada história tem sempre os seus dois lados. Quando todos queremos ter olhares míopes só para quem nos interessa, então conseguimos mantermos-nos míopes mesmo. 

E cada história tem a sua forma de ser exposta e traduzida. Muitas vezes essas histórias são delineadas e contadas para obtermos razões da nossa própria desculpabilização. Queremos um afago, um abraço e tantas vezes ouvir " Tu não tens culpa".  Eu sou o pior amigo que se pode ter neste sentido. Não vou em tretas. Mas sou o melhor amigo que se pode contar para  a vida toda.

Eu continuo a achar teimosamente que nos vários posts que escrevo a própria razão mesmo não querendo ser razão, tem a sua lógica tão linear, tão segmentada, que a certeza do meu olhar, caminho e percepção sentimental, nunca esteve errada, mas é sempre passível de estar mediante o olhar de cada pessoa. 

Já fui ridicularizado nos vários posts que escrevo, como se aquilo que escrevesse fosse de fato um erro de casting quando falo de amor, pessoas, conceitos, para vidas a um só, a dois. Já obtive respostas de : " Espero que encontre isso que tanto procura numa pessoa".  E eu fico indignado com a suposta burrice alheia tantas vezes. Dedicação ao amor, luta, honra, equilíbrio, carinho, partilha, cumplicidade, desejo, entreajuda, compartilhamento de vidas é vista como algum tipo de Satanás na ideia que tenho dessa mesma pureza equilibrada que terá sempre de existir??

Mas afinal quando nos apaixonamos, desejamos, acalentamos objectivos e sonhos com alguém pretendemos o contrário disto?  

O "Isso" é tudo o que comporta capacidade de amar e de se doar. O "Isso" revela-se de importância máxima quando duas pessoas remam na mesma direcção. Venham tempestades ou momentos de bonança, o "Isso" mostra-nos o que cada um é feito. O "Isso" para alguns é o tudo e para outros...bom..."Pimenta nos olhos dos outros é refresco".

 E cada um refresca-se com aquilo que vive e sente.

Alguma dúvida, como sempre...falem comigo! 


Fuiii








Um comentário:

Claudia Dias disse...

"Acima de tudo tenho um prazer imenso em escrever. Escrever para mim reveste-se de uma importância fulcral. Para mim mesmo, para aqueles que gostam de acompanhar e acima de tudo, poder ter vivenciado tantas coisas e ter a minha própria visão sobre as mesmas. A escola da vida ensina-nos imensamente, o olhar se era de uma forma vai nos modificando na medida em que vamos passando por diversas situações. A forma de ver, de sentir, de perceber até num todo muda radicalmente em vários sentidos" - BINGO!

E depois deste texto enooooorme :P

Digo-te: nunca deixes de escrever! Revi-me e escreveste um texto que me fez pensar "quem me dera ter sido eu a escrever isto" (o que é muito bom!) ;)