domingo, 18 de outubro de 2015

A FELIZ INSATISFAÇÃO



Sem entrar num eterno erro, insatisfação já dizia o malogrado Thomas Edison, que esta era a principal motivadora do progresso.  O ser insatisfeito é tão só, como também o mesmo, que bebe da satisfação pessoal e alheia. É tão único como partidário do pluralismo. Somos insatisfeitos por natureza. Mas deveríamos sê-lo na realidade? Esta insustentabilidade, esta insatisfação é geradora de perigos? Ou motivadora de progresso?


É sustentabilizada pelo que desejamos, queremos, ansiamos, ou porventura somos um perigo público desregulado por crenças, deduções, armações? O que nos trás satisfação? O que nos deixa insatisfeitos? A injúria? A mentira? O descaso? O acaso? O que nos permite querer ir mais além? Uma mulher? Um homem? Dinheiro? Profissão? Carro? Casa? Família? Vontade? Viagens? Momentos?Memórias?

O que é a satisfação senão mesmo a  eterna efemeridade que ela poderá ter...e logo aí...é uma constatação de uma feliz insatisfação.

Ter tido o que já foi, viver o que já não é...esperar pelo que há-de vir. 

2 comentários:

Claudia Dias disse...

A insatisfação tem um tom negativo e geralmente é ingrata, no sentido em que muitas vezes nos queixamos de coisas pequenas, que no fundo não interessam nada, é a índole do ser humano. Agora, como em tudo, com moderação, faz bem! A instatisfação é o que fazemos dela... podemos torná-la na nossa força, motivação, motor para - lá está, como dizes e bem - progredir..... Ou podemos deixar-nos derrotar por ela e ficarmos no nosso canto a chorar e a queixar-nos. Lá está... a insatisfação é uma coisa natural do ser humano, nunca ninguém está 100% satisfeito. Agora, o que fazemos dela... pode ser mais destrutivo ou construtivo. :)

Andrea Ribeiro disse...

Muito bom Bruno.Acho que a insatisfação quando serve com motivação é válida..Agora se servir como frustração,aí é perigoso.