quarta-feira, 23 de março de 2016

NÃO HÁ REGRAS QUANDO SE QUER VIVER. NA MORTE NÃO EXISTE AMANHÃ.



-Porque achas que eu te choco?
-Vivemos numa sociedade de brandos costumes, éticas, morais milenares, ensinamentos entre o que é ser correto e não correto...há certas coisas que pecam pelo exagero...
-Exagero é viver fingindo o que não se quer ser...esconder o que não se deve fazer...e fingir dizer o que na verdade nunca se quis dizer.
-Mas a sociedade assim o obriga...as regras, os conceitos e moralmente há certas coisas que nos devemos abster. Tanto de ser, como de fazer ou até dizer. A sociedade requer balanceamento, não se Compadece com atitudes demasiadamente libertinas, com excessos. Claro...tens liberdade, sempre...mas há que ter equilíbrio...
-A sociedade não me é nada e eu nada devo à sociedade...
-Ainda assim vives nela...
-Mas ela não morre em mim...todos morremos abandonados em nós mesmos. A sociedade não morre comigo!Na morte não existe amanhã...
-Então e por isso, achas-te com o direito de fazer de tudo?
-Acho-me no direito de viver tudo! O ser não se nega ao ser! O ser é!
-Mas sofres as consequências amigo. Sociedade versus individualidade ou até pluralidade rega-se de regras, segue uma matriz, vive num matrix, onde o respeito e liberdade tem um conjunto de hierarquias necessárias para a boa convivência. Amor, amizade, relações, profissões, conhecimentos, etc, tudo requer equilíbrio, regras, senão vira uma anarquia. As pessoas sem regras no mundo, viram o mundo do avesso. Viram animais.
-Confesso que estou perplexo com tamanha visão. Milhões morreram e morrem às mãos da profecia das regras. Moralidade falseada, ética para o que convém, sociedade corruptas, manipulação de massas, eis a definição dos cumpridores das regras. Vives robotizado...manipulado, odeias o choque, porque na verdade desejas a mesma liberdade que o choque te dá...ainda assim renegas, porque te prendes em ti.
-Não somos todos na verdade quadros iguais?
-Somos...com uma diferença...
-Qual?
-Pintamos todos cores diferentes...




2 comentários:

Andreia Morais disse...

Excelente texto!

r: Verdade

Diana Fonseca disse...

Concordo, a última frase é qualquer coisa. Texto fantástico!