terça-feira, 16 de agosto de 2016

GOSTAS? AMAS? OU NÃO PERCEBES NADA DISTO?



Já tinha escrito em outras oportunidades da verdadeira mensagem que carrega o sentido do amor. Gostar, amar ou não percebes nada disto, resume na perfeição a quantidade infindável de relações que vamos vendo nuns e noutros como verdadeiras histórias de príncipes e princesas de não passam de um engodo. 

Cada vez mais as pessoas estão a optar pela simplicidade de um "gosto de ti...então fico contigo!". Não existe uma tempestade em que se tenha de caminhar em direcção ao amor com todas as minhas forças. Não! Não há tempo a perder com sofrimentos, vidas sofríveis, limpeza de lágrimas, capacidades de superação e vontade extra de caminhar juntos em direção à fortaleza do futuro.

O passado, presente e futuro juntam-se numa fusão rápida de sentidos, de emoções, onde jogamos as cartas rapidamente da nossa vida, numa tentativa apressada de demonstração das nossas "Skills" perante o outro. Não há tempo a perder com conhecimento profundo, com debates à mesa agarrados a um copo de vinho que o possamos saborear em conjunto. Não! É dia de tomar a garrafa toda, deixar as problemáticas para trás e apenas viver. Ahhh que vida saboreada de forma tão fácil!

Viver na existência de um objetivo sonhado de um rumo certo, na tentativa de fazer desse caminho, dessa propensa caminhada para a vitória não passa de uma ilusão recheada de garrafas vazias deitadas ao redor na esperança de se explicar o que aconteceu e como aconteceu? E no fim a pergunta de: " Quem és afinal tu?"

Esta pressa intensa de saborear bocas e bocas, traduzir sentimentos distintos, visões alicerçadas às ilusões de que estamos no caminho certo com o gosto certo, o amor certo é a mais pura visão de mentiras antecipadamente encetadas por força da pressa de termos alguém o quanto antes. 

Gostas? Amas....ou não percebes realmente nada disto? Cada vez mais esta sobeja, este egoísmo de subirmos patamares rumo à vivência de uma vida que se quer bem referenciada, experimentada e muito bem sentida dá cada vez mais o sabor de que estamos mais perto da solidão do que propriamente de um amor. 

Gostas, amas...ou não percebes nada disto? Hoje preparamos contratos a curto prazo, gerimos emoções de forma rápida e concisa, Denominamos , alteramos, pronunciamos e deduzimos apressadamente os gestos, as palavras, os conceitos e mostramos  novas possibilidades de existências de amor. Não há tempo a perder com auto conhecimento, com o desejo da salvação, da mudança do outro. Não há tempo a perder com mixórdias de temáticas que deixam de interessar. 

Gostamos de algumas coisas, desgostamos de outras, fingem-se amores, fingem-se orgasmos, fingem-se e tingem-se consciências e almas de resquícios de passagens onde a solidez do querer, do desejo, da força ou capacidade é meramente teatral. Não há tempo a perder com limpeza do passado, com presença efetiva no presente e batalhar em todas as frentes rumo ao futuro. Como cansa...como é desajustado, como é demasiadamente desolador e desanimador. Gostas, amas...ou não percebes nada disto?

Andamos todos doentes numa tentativa de normalização do ser, amores de plástico, bonecos de plasticina lá vamos nós tentando adaptarmo-nos ao inadaptável. É insuportável a possibilidade de luta a dois quando há um sem número de possibilidades com contratos a curto prazo. Não se quer, não se deseja dores de cabeça. Queremos ir ao encontro das preparações rápidas. De vidas feitas, de finanças equilibradas, de profissões sustentáveis que possam provir todo o amor. Ahhhh...como se tudo isto fosse uma nova "Wall Street" de cotação em bolsa de valores do quanto valemos realmente.

Gostas, amas ou não percebes nada disto? Há um equilíbrio que se busca na tentativa da sustentação do amor. Os desequilibros da vida não providenciam o tão desejado ceptro da vitória, de um amor incontestável porque, são raras e raros aqueles que tornam humanamente possível a possibilidade de transformação da liquidez de um amor à sua solidez e capacidade de competência na manutenção do mesmo.

Não nos tornamos guerreiros no amor...lutadores de excelência, exímios no comportamento, no debate, no conhecimento, na arte de dar, receber, entender  e ajudar...."That s bullshit" não há tempo a perder....

Tornamo-nos nulos, inconsequentes e perdidos em bocas desconhecidas deduzindo que com isso, com isso caminhamos a uma rápida ascensão emocional de cura, de sentido de melhoramento e capacidade de solidificar...mas quem? Mas quem!?

Quem gostas afinal? Quem amas afinal? Ou simplesmente...não percebes nada disto?



Nenhum comentário: