quarta-feira, 28 de setembro de 2016

LUTA FEMINISTA: A CULPA É VOSSA? QUEM MANDOU COMER O FRUTO PROIBIDO?




Se há algo que me perturba solenemente é esta "agonia" desenfreada de que a mulher é o parente pobre da sociedade no que toca a direitos de igualdade de géneros. Mas há duas distinções a ter em conta nesta batalha que se confunde entre igualdade versus género. Não tenho nada contra as mulheres, bem pelo contrário! Exijo tanto como elas o direito a uma igualdade que se deseja sadia e que acaba com certos estereótipos culturais que definem e isso sim desigualdades, muitas delas gritantes e profundamente enraizadas.

Mas na velha frase de guerra instigada pelas mesmas. " We can do it"...sorry...but no...you can t! Primeiramente o primeiro pecador (a) ao cimo da terra não tem o nome de Adão...sim de Eva! Pelo menos é o que se pensa...

Quem comeu o fruto proibido e decidiu com isso traçar uma hierarquia composta por decisões masculinas foi exatamente a mulher ou...talvez não? Está nos anais da história o acontecimento trágico, que levou a mulher a uma luta desenfreada do feminismo e direitos igualitários para todos. E aqui fica a história...


ALGURES NO PARAÍSO: ADÃO, DEUS, EVA
-Ohh Adão...chega lá aqui!
-Aqui estou perante ti senhor!
-Deixa-te de cavalheirismos! Trata-me só por Eduardo Correia da Silva! Prefiro utilizar o meu nome verdadeiro! Assim oiço menos pessoas!  Ouve lá, onde anda é que anda a gaja que criei para ti?
-Gaja? Que gaja?
-Porra! A tua esposa!!
-Ahhhh!! Está ali debaixo da árvore a falar com uma serpente...
-Fonix mas tu és frutinha? Gostas que te acertem com a rolha?? Deixas assim a esposa?? Eu não digo que as mulheres falam com quem não devem! Aii que carago!! É o que dá fazer uma mulher bonita, até os bichos lhe sentem o cheiro! Chama lá a Eva!
-Ohhhh Evaaaaaaaa, anda cá ao "D"!
-O caminho é o mesmo! Se quiseres vens cá tu!
-Opá...deixa-te de merdas e de ser mau feitio! Anda cá faz favor!!
-O que é que estavas a fazer!??!
-Primeiro ponto....falas como deve ser comigo, que eu não sou uma das tuas concubinas! Segundo, estava a falar com aquela serpente tão simpática,  que me disse que podia comer o fruto proibido da árvore do conhecimento! E não ligar nenhuma às coisas que Deus me tinha dito, pois ele era um machista de primeira!!
-Eu não disse para não dares conversa a estranhos? Disse ou não disse?
-Estou nem aí....a maça....era saborosa...vermelha...linda...apetecível...aii...até me cria calores...
-Só me apetece dar-te na tromba Eva!! Não se bate nas mulheres, mas ás vezes apetece!! Já me estou a passar! Então eu avisei o Adão o teu marido e ele obedeceu e tu armada em grande, vai daí e comes isso??
-Modera a linguagem, porque eu tenho o número do chefe Esteves, cabo da GNR e não te admito que me trates assim! O Adão obedeceu, porque é um coninhas! Eu também tenho os meus direitos!!! Eu faço o que quero!! Tu não mandas em mim!! Se quiser comer eu como e pronto!!
-Ohhh queridinha...vamos lá ver se nos entendemos! Eu sou Deus, o teu criador! Aqui não há o "Tu mandas" há o " Eu mando"!
-Vês!! Isso é Machismo!! Isso é machismo!! A serpente tinha razão!! Onde é que está o direito de igualdade!!? E porque é que eu tenho de andar nua pelo paraíso à mercê dos olhares dos outros e tu andas tipo invisível? Tens fantasias de voyeurismo?? Gostas de me observar é isso?
-Eva, Eva...tu atenta no que sai da tua boca!! Tu respeita-me!!
-Whatever!! Tenho direito à igualdade e é isso que quero!!
-Igualdade? Quem é que dentro de uma casa a arder é salva primeiro pelos bombeiros? Mulheres e crianças! Quem é que num assalto a um banco é salva primeiro? Mulheres e crianças! Quem é que na fila da Segurança social ou finanças  é atendida primeiro se tiver grávida? As mulheres! A quem é que se dá o lugar no autocarro? Às senhoras!  A quem é que os homens vão quando não tem "alimento" suficiente em casa? Ás meninas!! E vens-me falar de igualdade??
-Ohhh Eduardo Correia, Isso não é bem assim!!! Nós somos frágeis!!
-Que frágeis, estás parvinha?! Eu criei-te da costela de um homem!!! Tens tudo menos fragilidade!
-Blasfémia!!! O Adão por acaso sangra da pila todos os meses?? Eduardo Correia da Silva, não me faças chegar os azeites, porque eu não tenho paciência!!!
-Pronto...há algumas coisas que é preciso mudar...não digo o contrário, mas esta luta feminista com a qual pretendes dar seguimento...começou por ti! Nenhum de nós comeu o fruto proibido! O pecado foi cometido por ti!
-Ahh foi? E o Sr. Satanás é o que? Um travesti? Responde Eduardo!!! O Sr. Satanás é o que?? Pecado cometido por mim...é preciso ter lata! Os homens realmente tem desculpas para tudo...

terça-feira, 27 de setembro de 2016

ONDE ESTÁ O MEU PAI? - BASEADO EM FATOS (IR)REAIS



Imagino a quantidade de crianças, adolescentes que consequentemente se tornam adultos que por variadíssimas razões, foram dotados ou ao abandono ou ao esquecimento. Seja uma ou outra razão, seja abandono ou esquecimento, estão intimamente ligados.

Eu sou entre muitos milhares e milhares por esse mundo fora, um daqueles casos típicos de "filhos bastardos", nome pomposo este de filho bastardo! Não existem aqui culpas a apontar, porque erros existem para ser cometidos. Por muito que se tente o aperfeiçoamento intensivo de nós mesmos é invariável cometer-se todo o tipo de erros...e depois saem...bebés!

Eu confesso...que ás vezes em vez de andar aqui a escrever textos diversificados, apetecia-me escrever a minha história de vida. E acredito que seria um best seller mundial! Bom...talvez menos...pelo menos um best seller lá na aldeia do Montejunto...ainda assim um best seller! Já agora a frase mais atrás da aldeia do montejunto não é para levar a peito. Nunca estive lá...nem sou de lá! Whatever...

Sou fruto de uma traição no casamento. A minha querida mãe tinha o seu namorado e o meu querido pai, homem casado, já com dois filhos, resolveram juntar as emoções, vontade,  fogo, tesão e perderam-se um pelo outro. Acontece! Não vou estar aqui a discutir atitudes de bom ou mau carácter, seja de um ou de outro. Não há um único justo no mundo e da mesma forma que parafraseando JC : " Atire a primeira pedra quem nunca errou".

A traição sempre esteve nos anais da história. E assim continua nos dias de hoje. Loopings de relações, encontros de uma só noite, etc, etc. Sempre foi assim...sempre será assim.

No meio de tudo a minha principal dúvida: Teria tido uma vida melhor se tivesse um pai por perto? Talvez sim...talvez não! Depende do pai! Vamos a fatos...

Eu confesso, nasci num berço de ouro. Família importante, com estrutura social, financeira muito acima da média, mas família desprovida de verdadeiro sentido de responsabilidade, carater e solidariedade. Acontece! O mais importante nesta panóplia de situações como uma traição num casamento, era por todos os meios manter o bom nome da família limpa.

E por isso mesmo dotar ao esquecimento se necessário e por todos os meios aqueles que perpetuaram e consumaram a "desgraça" de colocar em xeque o bom nome familiar. Ora...quem pagou com isso foi apenas mãe e filho que votados ao esquecimento, foram abandonados à sua sorte e engenho. Desgraçadamente punidos por momentos de prazer intenso.

De nascido em berço de ouro, com todas as possibilidade à vista de poder singrar no mundo fruto de todas as regalias e armas que poderia eventualmente ter, para proscrito a uma morte certa sem regalias nenhumas e apenas contando com a dedicação e força de uma mãe.

E a pergunta que se coloca é: Where is my daddy? Bom...senhor de um papel na sociedade, vida ativa dedica à politica, durante 23 anos esteve distante e imparcial. E 23 anos, porque na verdade na tentativa de se esconder a humilhação, a desgraça do bom nome que podia ir para a sarjeta, optou-se por facilitar a ideia de que apenas existia mãe. Nos meus documentos pessoais apenas está descrito o nome da mãe. Pai...does not exist!

Mas este " Where is my daddy" levou a que em determinado momento eu começasse a fazer perguntas e com isso elevar a um sentido de responsabilidade a minha veia de Sherlock Holmes de forma a desbravar caminho para entender e conhecer. E conheci!

Entre mundos e fundos, explicações várias, promessas de um mundo cor de rosa assim se ficou...até hoje! Quero eu dizer que este " Onde está o meu pai" foi conseguido durante 1 hora de conversa e estabelecimento de laços afetivos, perdões e promessas de que tudo seria diferente. Uma hora durou apenas um encontro que não se tinha há 23 anos, depois disso...never more. So...where is my daddy? I do don t know....

Estou em crer que no dia que partilhe os meus 40 anos de vida numa biografia será um best seller...pronto a ser comercializado para as telas de cinema!

Posto isto devo dizer que muitas foram as vezes que me questionei: " Se tivesse tido um pai presente, afetivo, responsável, dedicado, carinhoso, sensível para problemas vários ,educador" teria tido eu um futuro diferente? Talvez! Mas quem sabe?

Na verdade se o tivesse tido...não seria quem sou. Mas hoje gosto de olhar para trás, virar-me de frente para a minha filha e quando questionado com: " Where are you daddy??"

Simplesmente responder: " I  m here...always here".

domingo, 25 de setembro de 2016

OPOSTOS ATRAEM-SE? TRETAS...



A questão principal que muitas vezes questiono é: Os opostos realmente atraem-se? Existe uma panóplia enorme de pessoas que de quando em quando, vem sempre com esta afirmação de que os opostos se atraem!

Eu nunca concordei com este tipo de afirmação! Não se que seja absurda, mas é no mínimo duvidosa! O diabo é o melhor amigo de Deus? A cobra dorme de braço dado com o ratinho? O gato ama o cão? Um padre católico cita o Corão como ensinamento?

Escuto inúmeras vezes algumas amigas e amigos, bem como conhecidos dizerem: " Nós nem temos nada a ver, mas gostamos muito um do outro!"  Tretas...


Gostam é do que o outro vos proporciona! Sexo, o beijo, o toque, o coração a palpitar! Mas se ele adora sair e tu não...ficas feliz da vida? Se tu amas um amigo e ele o odeia, sentes-te bem com isso? Se gostas de ficar em casa a ver um filme e ele vai ao futebol com os amigos e deixa-te sozinha, sentes-te preenchida? Se ele é mal humorado e tu bem humorada....bem...nem digo mais nada...


Os opostos atraem-se? Podem dizer-me por exemplo que existem excepções! Já vi cães a tratar de gatos recém nascidos, já vi cobras que não comem ratos, já vi padres a citar o Corão e até...para que conste o diabo já foi sim o melhor amigo de Deus! 

Então...mas se os opostos se atraem...não haveria as derrocadas, complicações, insinuações, violência verbal, discussões infinitas, ciúmes a rodos e afins! Porque meus amigos e amigas...os opostos não se atraem! Aliás os motivos que atraem os opostos são exactamente os mesmos que tocam o sino de saída de cena.

Nós gostamos, apaixonamo-nos por pessoas que tenham algo a ver connosco! Não queremos cópias. Não! Mas...pessoas que em muitas situações, formas de pensar se aproximem minimamente daquilo também que nós pretendemos e deduzimos como encaixe.


Se eventualmente e vejamos do seguinte prima, se eu gostar de 10 tópicos que poderemos considerar eventualmente os seguintes: Dança, Musica romântica, Cinema, Arte, Cultura, Viagens, Pornografia, Futebol, filosofia e novelas e ela gostar de: Beleza, Moda, Punk Music, livros policiais, ficar em casa, banda desenhada, romantismo, facebook, novas tecnologias e comida fast food....os opostos são literalmente atraídos como borboletas mágicas que sentimos na barriga? Pelo amor de Deus...

Opostos e concessões ao amado(a)

-Mor, vamos sair hoje à noite. Existe uma exposição de quadros fascinante!
-Ahhh Bruno....já sabes que não gosto de sair, combinei com a Vera aqui no face e sabes que não gosto de andar a ver quadros!
-Vá lá...vamos nos divertir um pouco...sair aqui de casa...
-Já disse que não! Não gosto de sair para ver essas coisas! E não me aborreças com isso!
-Caramba...ok...tudo bem....ficamos em casa!
-Sério amor?? Amo-te tanto!! Fomos feito um para o outro, cuidas tão bem de mim!!

Como é que o oposto do outro se atrai? E quão enganados na apreciação de que o oposto de mim ou de ti que estejas desse lado, pode ser benéfico, quando na verdade não o é!? O que condicionamos são as vontades de um em detrimento da alegria do outro.

Dirão vocês: Isso é amor! Não...isso não é amor! Isso é impedimento da liberdade de um por troca da prisão do outro. Logo, amor não se compadece com egoísmo. 


Claro que em certas situações, certas pessoas, certos momentos existe sempre o gosto pelo desconhecido. Faz parte! E o desconhecido leva-te a querer descobrir. E faz parte porque na verdade nesta onde de conquista e desejo pelo outro o que conta inicialmente não são os "Likes" na tua página interior.
O que as pessoas desejam para além dos "likes" emocionais de conjunções iniciais é complementação! Posso ser atraído por uma alma oposta...mas se é um oposto como pode ela sentir o que sinto?

Não esquecer que maioritariamente numa fase inicial os opostos atraem-se pela simples razão seja de um lado ou outro existir uma falha essencial que nos dota de cegueira....carência.

A carência é como Red Bull...dá-te asas para sonhar e infelizmente não fornece pára quedas para cair. 


O diabo era o BFF ( Best Friend Forever) de Deus. E o que aconteceu? O egoísmo. cegueira, falta de entendimento levou a que estes pólos que inicialmente eram atrativos...caísse em desgraça. O complemento do amor é bem mais importante do que as necessidades mundanas para uns e outros. As pessoas não se perdem no amor muitas vezes, perdem-se em tópicos mundanos que as dota de imperfeições onde o mais importante passa a ser o que quero ter...e raramente o que posso dar.


O encanto vem com a mesma magia subjacente de que o complemento das duas necessidades desejam. As estradas tem que ser paralelas, os horizontes os mesmos e que no cimo do monte...o sol nasça para os dois e não para um.

sábado, 24 de setembro de 2016

NÃO PROSTITUAS O AMOR...NÃO É UM NEGÓCIO




Estranha forma esta, de andarmos sempre atrás de nos desculpabilizar-mos sistematicamente. Defeitos nunca modificados, mentes teimosamente inalteráveis. Somos autênticos vegetais na arte da modificação. Lobos em pele de cordeiro esperando ansiosamente que com umas flores, uns jantares, bens materiais ou ofertas vãs se possa ganhar o amor! Maldito negócio de lavagem, branqueamento de sentimentos.

Não me venhas com conversas de negociatas no amor! Fode-te com isso! O amor é uma lei sem regras. É uma anarquia de sentimentos, porque ele carece dessa liberdade...não o carregues em ti como pressuposto de negócio! Não negoceies uma escolha mediante a visibilidade social. Não negoceies o amor mediante um estatuto profissional. Não negoceies o amor mediante contrapartidas financeiras!

Gritas como mulher valorizada, ergues o copo da ostentação e brindas ao sucesso que atingiste! Ahhhh....pobre mulher! Pobre criança! Que respeitabilidade entendes desejar, quando bebes de amores vazios? É essa a segurança que o amor te fornece? É essa a proteção? Que mulher inválida, incapacitada, que no cheque em branco do amor negoceia o seu futuro! Ahhh...pobre mulher que te prostituis por tão pouco na ânsia de seres grande!

O amor vem como uma brisa, não como um negócio! Quem és tu afinal que deleitas nestes prazeres materiais? Que valor terás tu às portas do céu? O que pensas? Que serás recebida numa passadeira vermelha onde todos nesse caminho, te aplaudam?

Ahhh mulher...que triste sina a tua, que caminhando nessa prostituição, que votas o amor a um negócio, não entendes que nesse caminho, passadeiras vermelhas são substituídas por caminhos de espinhos e por almas que não te aplaudem!? Não escutas? Não sorriem, não te glorificam...choram apenas...

E com eles...chora o amor também...


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

MACHOS DE OUVIDOS MOUCOS...




ELE CONTANDO AO AMIGO

-Então como correu ontem à noite com ela?
-Sabes como é amigo! Nestas ocasiões não falho! Digo-te...ficou doida! Estava insaciável, não parava um minuto! Pedia mais e mais! Nem me deixou dormir! Sussurrava no meu ouvido sistematicamente: "Bomba, Bomba" e eu pá...sabes como é...low profile...mas na hora mostro quem manda!

-Tu és o gajo! Orgulho! Somos homens, isto é o que faz de nós machos!! É assim mesmo! Vais ver, daqui a pouco está a ligar-te.




ELA CONTANDO À AMIGA

-Então amiga? Como correu com ele?
-Nem te conto! Nem me queria deitar com ele!
-Porque te deitaste??
-Ora...por educação! 
-Sabes que tenho asma não é!? Não é que eu aflita, cheia de afrontamentos, falta de ar a tentar dizer-lhe como me estava a sentir e o parvo olhava para mim, pensando que estava a ter algum orgasmo e só dizia: " Isso!! Gostas assim não é? Grita no meu ouvido!"
-Mas nem conseguias dizer nada!?
-Amiga, eu estava com falta de ar!! Sussurrava tipo: " Hummmm...pára...pára..." e o idiota feliz da vida continuava sempre com a mesma coisa: " Queres mais não é? Diz que queres! Suplica por mais...vai..."
-Que parvo...que insensível!
-Pois é amiga!! Eu só consegui dizer: " Preciso da bomba...dá-me a bomba"! Eu falo em bomba de ar para a asma e ele: " Isso...bombo com toda a força...eu sei que gostas..."
-Amiga...não é homem para ti! 
-Detesto gajos insensíveis...este já era!


https://www.facebook.com/Revolucao.Bruno/

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

PERDE-TE NO TEU SOFRIMENTO...PORQUE TU ÉS!


" Para suportar as aflições dos outros, todo o mundo tem coragem de sobra." - Benjamin Franklin


Não vejo a luz ao fundo do túnel...e que túnel é esse? Que fraqueza é esta? Para onde caminho? E porque nem a minha voz consigo escutar? Que grito ecoa no meu silêncio? Será de uma vida sonhada? Ou de uma morte anunciada? Que jornada a minha? A quem suplicarei? Que medida de peso colocaste em mim? Tudo está em silêncio. Vergo-me ao peso da minha vida...entrego-me...

Não me ajudes por favor! Não preciso do teu aval poético, da loucura da tua insensatez, do teu desejo soberbo. Não carregas as minhas dores! Não produzes as minhas lágrimas! Não entendes o meu grito! Nada sabes, pois não é o teu sofrimento que sangra...é a minha coragem que brilha! Não me omitas! Não me mintas! Não me traias! Não me sintas! Caramba!!! Eu sou!!!

Escuta o meu grito que nada te diz! Escuta este som onde danço e onde crio! Não por ti! Nunca por ti! Por mim! Deixa que carregue a minha pedra! Deixa que me crucifiquem na minha cruz! Deixa que ela me pese! Peço-te! Deixa que sinta! Não por ti! Nunca por ti! Porque eu sou!!

É a minha aflição, as minhas dores, a minha revolta, o meu desespero! Deixa que abrace o meu próprio sofrimento! Que semeie o pânico em mim! Não por ti! Nunca por ti!

É o meu castelo...despedaçado, solitário...em prantos...ainda assim...meu, porque eu sou! Eu sou! Que não entendas, que não partilhes, que não escutes, que não vibres, que te percas num olhar distante! Já te disse...eu sou! Não compres, não vendas, não faças pouco! Nada sabes, porque tu...tu não entendes...mas eu....eu sou! Eu sou!


Não me vergo a ti...não me vergo ao teu medo, à tua inconstância da vida, ao teu lamurio infernal que carrega a morte consigo! Nunca, jamais!!

Lamento...nunca o farei por ti...

-Tarde demais para viver...
-Não amigo! Cedo demais para morrer...porque eu sou!








quarta-feira, 21 de setembro de 2016

O MEU RETRATO NÃO É A TUA IMAGEM



Era assim que desejavas ver-me? Perdida? Indecentemente votada ao esquecimento? Era esta a imagem que no agrado de uma lembrança, desejarias tu ter, como aquela que de ti fez parte? Como ousas interferir na minha solidão? Como ousas gritar na paz do meu silêncio? O que te dei eu, senão a vontade expressa de te dizer que te amava? Porque não percebeste? Como não entendeste?

É assim que me desejas ver? É esta a imagem que carregas em ti? Responde! Não te escondas na tua covardia e brilhes nesta minha agonia! Olha-me nos olhos e contempla a miséria desmedida de um amor não correspondido! Era isto que desejavas? É esta a pintura final do teu quadro? Responde-me! Não te escondas na ilusão de que és diferente de todos os outros! Era esta a promessa de amor? Não ouses virar-me as costas! Não mereces nada!

-Por favor...perdoa-me!
-Sai! Desaparece da minha vista! Deixa-me aqui!
-Mas...eu estou aqui por ti!
-Não...não estás aqui por mim...mas eu...eu sempre estive por ti.

O TEU PATRÃO GRITOU CONTIGO? LIGA O "FODA-SE!"




Aristóteles, um antigo filósofo grego dizia: " Um homem que não se curva, não endireita os outros."


Esta frase tão simples, singela, traduz na verdade um conceito muito mais poderoso. A humildade. Humildade que para muitos atua como alguma forma de anti-humanização.

Ao longo dos anos, tanto eu, como tu desse lado (não o trato por você, apenas porque quero poder escrever livremente e liberto de amarras) enfrentamos, deparamo-nos com diversas situações onde a "Ira" de um homem ou mulher, patrões e patroas, os génios complicados, ou a estupidez nata, reflete-se em nós como conceito de suprema subserviência de sermos conotados como carne para canhão.

Ao longo dos anos em alguns trabalhos, diversas empresas, tive a oportunidade de lidar com todo o tipo de patrão e patroa. Umas e uns mais cultas(os) e trabalhadas emocionalmente, outras mais complexas, difíceis, irascíveis,  onde o nosso jogo de cintura com o tempo se vai traduzindo num certo encaixe emocional face a raivas ou imponderáveis evidentes, com os quais aprendemos a jogar e a equilibrar. Partindo sempre do pressuposto que percebemos como eles funcionam e desejam o trabalho feito. Mas há chefes e pessoas! Jesus Cristo era um verdadeiro líder! Pegou em 12 discípulos, pescadores, maior parte iletrada e colocou-os nas bocas do mundo. Até livros falam sobre as campanhas destes ilustres 12 homens!

Mas evidentemente pegar no conceito de líder, seja falando de um Jesus Cristo, Ghandi, Malcolm X ou Martin Luther King, verdadeiros líderes, de justiça social e transpor para este novo mundo de novos ricos e engravatados das jantaradas de empresários, de troikas é uma ofensa para a denominação de "Líder". Se tivéssemos líderes no país não precisaríamos de resgates financeiros  dizendo:


-Vá...325 milhões + 78 mil não são 52 e duas laranjas! Vamos bebé....faz lá isso de novo! Ai que o menino não estudo o suficiente!

Acho, senão mesmo porque não dizer, tenho a certeza, que de histórias de grandes líderes, maioritariamente os mesmos, esta dose de paletes de engravatados, fabricados ás pressas e muitas vezes com negócios e negociatas obscuras tentam a todo custo colocar-se na balança dos grandes heróis mundiais, com grandes feitos, gracejando a todos o quão importantes se tornaram. Tornaram-se importantes sim...e entram para a história como o novo movimento que trouxe de volta e de uma forma mais encapotada  a escravatura dos novos tempos.

Vejam....o vosso patrão grita, imaginando que até se saliva nos cantos da boca com deduções ou critérios seja de cumprimento de horário, seja de ficar mais tempo, seja de um trabalho mais criterioso que fique a brilhar, seja lá o que for. Ele grita não porque quer o teu melhor e que subas na empresa, mas sim, constatar perante todos de quem é o "Boss". É uma ideia que está tão enraizada de que gritando, ou até humilhando é a forma de manutenção de pessoas e empresas. Certo é que muitos ouvem e calam. Eu sei que dirão: Não posso sair, não devo sair...contas para pagar e afins. Percebo...mas deixem-me dizer uma coisa.

Sempre ouvi dizer que: Deus dá nozes a quem não tem dentes. Assim como: Quando se fecha uma janela, abre-se uma porta.

Não coloco aqui algum tipo de divindade como forma de tentar a sorte e vamos ver o que dá. Mas...estendo-a de todas as formas como se de uma verdade infalível se tratasse. Quem paga a tua saúde emocional? O teu equilíbrio? Quem te dá anos de vida numa vida que se pretende mais equilibrada? Quem pode fazer escolhas, mesmo sabendo que existe, medo, receio e possível desequilíbrio?

Mas se o teu patrão tem um "Piti" ou vários devido ao génio, forma que foi educado, traumas eventuais que tenha,  a própria personalidade que com o tempo e esta guerra que vai ganhando por te ver pisado e com isso, crescendo o sentimento que cada dia é mais forte...tu passas a ser o quê? Um rato de laboratório? Um humano caído em desgraça que enche os bolsos de uns e esvazia de outros para seu belo prazer?

Percebo em que em certos momentos nesta jogatana e necessidade negocial se deseje a todo o custo muitas vezes, conseguir chegar a bom porto. Colocar as "tropas a mexer", como se diria em gíria gramatical. Mas existe uma linha muito ténue entre a inteligência e a estupidez mumificada.

Já ouvi coisas no trabalho como dar por exemplo uma opinião e ouvir do patrão: "Mas os cães já falam?"

E na verdade nestas ocasiões dá vontade de dizer: Não falavam! Mas comecei a falar agora e a partir do momento que percebi, que a tua mãe teve um irmão gémeo...não é maninho?

Eu sei...eu sei! Muitas vezes as humilhações são grandes. Baixamos a cabeça em muitos momentos. Eu sei...existem filhos, comer para levar para casa, contas para pagar,carros, umas saídas com os amigos, namoradas ou mulheres que que se deseje "mimar" em algum momento, empregos a manter. Eu sei, não é fácil! É um sofrimento e uma labuta que não requer trabalhadores, sim heróis e heroínas!

Ainda assim a partir dos 40 (leva tempo...acreditem...) começamos a traçar um caminho inverso ao nascimento. A nossa estrutura de pensamento, de lidar com toda a panóplia de pessoas, digo patrões, já está de certa forma esgotada para desaforos.

O caminho que fazemos a partir de idade bem mais adulta, não é voltar a nascer. Impossível isso! De certa forma a honra perdida tem outra conotação quando em algum momento te gritam nos ouvidos e tu...cansado da vida, cansado de empregos, de pessoas, de patrões, de ganâncias, de atitudes impensáveis, passas a agir de outra forma em relação a tantas respostas hediondas que levaste ao longo dos anos. A ativação do "Fodasse", o teu grito de revolta, de insubordinação moral e necessária face a um ataque...passa a ter outro sabor.

Eu costumo dizer e trilhar para mim que o sucesso da lei do retorno, só pode ter sucesso, quando a mudança da vitima que ás vezes nos sentimos, só pode requerer alteração, no momento que decidimos modificar o panorama da nossa vida.

Durante alguns anos tive receio de fazer alterações de emprego. Será que vou arrumar emprego? Como  ficará a família? Como me manterei sozinho? Sem emprego o que farei e como farei? Ahh...é melhor ficar! Pensava sempre eu. Na verdade o pensamento nú e crú transformado por outras palavras era tão só: É melhor morrer!

Morrer pisado, humilhado, com sonhos despedaçados, com objetivos não atingidos. É melhor morrer e passo a redundância, no sentido de baixar os braços, baixar a humanização em mim mesmo e entregar-me de corpo e alma a alimentar os sonhos dos outros. Por mais um pedaço de pão? Por mais umas notas, para um quadro de um pintor de renome? Um carro valioso? É isso que passamos então a valer? A constatação de um número a fixar no outro e um vazio a deduzir de nós?

E ficando nessa "morte" de inatividade o sucesso de um...vira o insucesso de outro. O medo apodera-se e percebemos que nós não trabalhamos para sucesso nenhum a não ser mesmo o sucesso daquele que grita, esperneia ou espuma-se pela boca. O seu sucesso depende da força laboral do escravo que tem a seu cargo.

O lema: Trabalha o mais que puderes, pagarei o menos possível faz todo o sentido. Não para nós, sim para eles. nenhum patrão me ofereceu um carro novo, casa na praia, dividiu os sucessos da empresa, nenhum patrão me disse: Vai e espalha o sucesso de todos nós! Espalha o evangelho empresarial!

Mas em contrapartida, vemos o nosso dinheirinho no final do mês, todo contado, nota a nota, moeda a moeda e pedimos ao alto: Que não nos falte nada.

Humildemente ou nem por isso, senão mesmo por necessidade intensa, lá vamos no outro dia para o trabalho encher uma vez mais a caixa de pandora do patrão.

Agraciado com o nosso trabalho, subservientes que somos maioritariamente lá vemos o nosso querido patrão ou patroa, feliz pelas suas viagens, pelas suas compras, pelos seus gastos a rodos com toda a sua família. E tu...de repente começas a ligar o "Fodasse"! E não! Não me venham dizer que: " Ahh...estás com inveja porque ele tem e tu não"

Para as mentes menos cultas devo dizer que existe uma noção trabalhista que sempre partilhei. Justiça! A justiça, combate exatamente os desequilíbrios. Combate o anarquismo existente tantas vezes na alta roda dos patrões, onde entre batimentos de copos de champanhe se grita "Hip...Hip...Horray" pelos feitos alcançados e pela manutenção deste novo tipo de escravatura trabalhista. A justiça muitas vezes é a ligação do botão " Fodasse".


Porque se agirem imoralmente contigo tens toda a moral com toda a capacidade de responder moralmente à letra!

-Ahhh Bruno! Tenho medo de ser despedido! Não se pode responder ao patrão!!

-Não podes? Mas podes bater na tua mulher? Podes tratar mal os teus filhos? Podes trair a namorada? Podes trair amigos? Podes agir imoralmente contra quem te ama...não podes...contra quem te dá umas moedas paras as contas e se enche de regalos e de todas as iguarias? Ahh...Fuck you! Be a man!

Sim, foda-se para o patrão que humilha, para o patrão que não gosta que se fale com os colegas, que entra em pânico se demoramos mais 2 minutos no café. Foda-se para o patrão que grita porque tens o teu filho em casa e que outro vá tomar conta dele. Foda-se para o patrão que diz não poder pagar mais, mas troca de carro todos os anos e janta fora com a familia todos os dias. Foda-se para o patrão diz que não podes ir de férias, mas tira uns dias para ir descansar a Punta Cana! Foda-se para o patrão que humilha apenas pelo gosto de se achar um semi-deus e que na verdade como todos nós...não tem onde cair morto. Mija-se, caga-se e jorra sangue como todos nós. Mirra na morte como todos nós.

E no fim da vida que legado de "heróis" leva esta gente?

Como diria uma amiga: "Eu limpo as sanitas onde os empresários empresárias cagam, eu faço horas e horas sem dignidade ou respeito tantas vezes. Eu humilho-me para pedir um dia para tratar de um filho, quase que me ajoelho por chegar atrasada...para estes engravatados, cabrões do aproveitamente,  que não tem outro nome, andarem a encher-se do trabalho que prestamos...enquanto deste lado nos esvaziamos na saúde, nos medos, nos anos a fio de tempo perdido. "

Sim,  nós caminhamos menos fortes,mais cansados, emocionalmente desgastados. Vamos mais vezes ao médico, as doenças vão aparecendo cada vez mais, os ossos ficam mais desgastados. Tudo porque não soubemos dizer naquele dia, naqueles tempos um verdadeiro "Foda-se". E ás vezes o tempo passa e tu vês-te prostrado diante de uma TV, já sem idade para outro tipo de trabalho e perguntas: Porque não mudei? Porque tive medo de alterar? Porque me humilhei?

O teu patrão gritou contigo? Liga o foda-se! Vive...muda, altera, caminha...e realiza-te, pois um homem que não se compadece, curva perante a tua labuta, não merece o crédito da tua dignidade. 








domingo, 18 de setembro de 2016

DE PAI PARA FILHA - SEGUE OS TEU SONHO



Querida filha, 

Dias haverá onde a necessidade de desbravar caminhos em busca dos sonhos será tão irrealista, que se perderá no meio da esperança a ideia da tentativa de ir em busca dos mesmos. Medos, receios, dificuldades, obstáculos, pessoas, serão colocadas perante ti, na tentativa de te dizer ou demonstrar o quão é impossível seguires caminhos que não estarás à altura. Mas não te preocupes, não caminharás sozinha e ainda que o faças, ainda que te vejas perdida, desprotegida, solitária num caminho cheio de pedras, lembra-te:

Tal como diria Fernando Pessoa: Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo!

E é necessário que entendas, que te auscultes interiormente para a necessidade que terás de lidar na tua vida e nos teus caminhos com diversas pedras. Já o tens feito e tens feito apenas com o propósito singelo de perceberes tal como tens entendido, que só é possível fazê-lo com um sorriso nos lábios. Amor dado é amor conquistado. Nada, absolutamente nada é inconquistável, pois tudo é questionável!

Medo? Nunca! Sofrimento? Sente tudo o que possas sentir! Viver? Vive todas as aventuras, percorre todos os trilhos! Sonhos? Atinge todos os picos, ferida, angustiada, desesperada, faz com que o sol brilhe em todos os cantos do mundo!

Vieste ao mundo sem nada e nada levarás, mas acredita, tudo deixarás! Rasteja, reergue-te, explora, modifica, grita, chora, conquista!

Pega em todas as pedras feitas de sorrisos e lágrimas e constrói o teu castelo! Chama o mundo inteiro, não para adorar a tua obra, não para se vangloriar perante as tuas conquistas, apenas para juntos contemplarem o por do sol!

O teu talento é uma conquista, a tua vida é preciosa! Não te quero igual, não te quero implorando debaixo dos escombros da tristeza por uma mão. Quero que sejas a mão! A mão do mundo, a mão que não larga a outra. Quero que sejas o sol que nasce não para um , mas para todos!

Que sejas melhor pai, mãe, avó! Que sejas ouvida, abraçada, amada e conquistada sempre nesta vida!

Mesmo que um dia não oiças mais a minha voz...estarei sempre a caminhar ao teu lado! Always...forever!

Do teu Pai,
Bruno Fernandes





sábado, 17 de setembro de 2016

AI DE MIM QUE ME FUI...AI DE MIM QUE NADA SOBROU...




Não havia mais a quem dizer que não estaria mais presente. Não houve tempo. Não ouve o toque incessante das trompetes para a finitude que em mim caiu. Esperava que fosse em algum momento. Mas não hoje, não agora. De repente estava...e eis que mais não estou. Consigo vislumbrar ao fundo ainda uma parte de mim. Deambulando entre as alegrias, tristezas, caras conhecidas e desconhecidas. 


Sou um nada. Virei um nada...todos continuam rindo, plenos de alegria, convictos dos seus caminhos. Ai de mim, porque me fui? Porque vejo todos brindando à infinitude da vida? Porque se riem, porque se desdobram em palavras e projetos? Em amores e desamores? Em novos caminhos traçados? Em objetivos delineados? Porque brindam sem mim? O que fiz eu? No que me tornei? 



Suplico-te! Deixa-me voltar! Deixa-me voltar a ser eu! Deixa-me voltar a amar, sentir, ouvir, brindar a uma finitude que nunca chega! Deixa-me viver! Deixa-me beber da alegria, da angustia, de celebrar nascimentos, de chorar eternos amores! Deixa-me sentir o sofrimento, adornar a angústia, dar sentido à alegria! 


Suplico-te que me deixes fazer o que não fiz! Dizer o que não disse, abraçar quem não pude! Suplico-te que me deixes voltar! Ai de mim, que agora nada sou! Que lembrança deixo, quem de mim se lembrará? 

Sou apenas uma imagem, vagueio por entre frases, palavras sem sentido. Pernoito em becos e ruelas questionando o inquestionável. Não desejo isto! Que me deixes voltar! Suplico-te! Deixa que viva o meu sorriso, que se escute o meu bater, que se erga a minha voz! Por favor...não deixes que me vá! Não hoje, não agora! Não deixes que seja para sempre, que a minha voz se perca, que o meu olhar se distancie! Que abrace os meus filhos, que enxague as lágrimas dos meus amigos! Suplico-te...deixa-me voltar a viver! Não me leves agora! Ai de mim que me afogo nesta tristeza! Ouve o que te peço, suplico-te! 



Prometo que tudo mudarei! Prometo que tudo farei! Prometo que nada faltará, que mais ninguém irá chorar ou perder-se de mim! Prometo vida, prometo amor, prometo comprometimento, prometo sucesso, prometo dobrar todas as intempéries, cumprir todos os objetivos, subir todas as montanhas, desbravar todos os caminhos! Prometo mudar! Ai de mim...que não me ouves!


Que não me faças chorar em vão! Suplico-te...deixa-me voltar! Como ousas deixar um filho que chora? Uma mãe que se desmorona em pérfida tristeza? Como ousas levar-me assim! Ai de mim que já não estou!  Porque não me escutas enquanto passeio por todas estas almas que se deleitam com a vida!? 


-Porque não viro a razão do teu viver? Do teu desejo de querer?

-Porque o teu tempo já foi...

-Ai de mim...que me fui...ai de mim...que mais não sou...





QUEM SE VENDE POR POUCO....PERDE-SE POR MUITO...




Entre os mais de 500 " amigos" no facebook, entre eles e elas há uma notória inverdade na demonstração efetiva de quem é quem. Existe na verdade e maioritariamente uma necessidade de demonstrar através da nova denominada "arte do corpo" o desejo de fazer prevalecer uma ideia de quanto valemos, como valemos e de que forma valemos, salientando com isso a ideia de que o corpo, esse templo individual que carregamos, como forma de menu apetecivel a quem esteja disposto a pagar mais com os seus Likes e comentários. E por isso mesmo hoje apeteceu-me fazer algo diferente.

É uma forma que tenho reparado desde há muito, ser um chamariz tanto para homens, seja para mulheres. A arte da "venda" do nosso templo, recheado de formas de negociata nesta apresentação, tem-se revelado um sucesso de "Likes" e mentes ávidas de conseguir ter acesso a menus na verdade...vazios, desgastados pelo vazio de talento, de dons, de formas de ser que permitam, que o que esteja à vista e seja visto, como prato principal a obter o quanto antes, seja um corpo que defina teias e formas de sustentação de felicidade.

Será isso suficiente na campanha de angariação de "Likes" e obtenção de estatutos de auto estima elevada, que produzam não vendas do corpo, mas sim vendas da alma? Que preço ostenta a manutenção e produção do meu prato? E o que tenho no prato....é suficiente para alimentar o meu ego? Para reproduzir quem sou? Como sou?

Luxúria, desejo, sonho, objetivo, tentação? Como denominamos a arte ou talento que possuímos? Ou por outra, não teremos nós talento nenhum e na verdade a única arma de arremesso e conquista do outro,  se baseia na demonstração de um bonito corpo, seios, bunda, bíceps, tattoos? O que desejamos mostrar? Obter? Angariar? Será o desejo intenso de obter aprovação? O desejo de qualificar quem somos e como somos através do corpo?

Quem se vende por pouco, perde-se por muito! E isso é uma realidade indesmentível, porque a noção de bem estar, de regozijo interior através do desejo de incutir no outro a vontade de possuir ou ter, revela-se nunca como uma vitória pessoal, sim como uma mentira, onde quem se banha na visão de um corpo, perde-se na ilusão do descrédito em si mesmo.

Só és o que preciso...quando revelares aquilo que necessito...

BM







quinta-feira, 15 de setembro de 2016

PORQUE OS ADOLESCENTES DETESTAM A ESCOLA?


Começou em alguns casos o inicio do ano escolar e como pai tal como desse lado outros mães e outros "daddy s" , de certo que é daqueles momentos em que os inícios de anos letivos são uma dor de cabeça. Livros, materiais escolares, toda a panóplia de organização inerente a um começo de ano e claro...money and more money spend!

Esta aposta necessária de dar aos filhos uma boa educação, um caminho que lhes permita de obejtivos de estarem e conseguirem todas as bases para a sustentação do seu futuro, deduzo que seja algo inerente a todos...ou quase todos.

"AS CRIANÇAS  NÃO QUEREM REGIMES DITATORIAIS  NOS  ESTUDOS...QUEREM EQUILIBRIO!"

Na verdade acho que a escola neste mundo moderno com os seus horários inflexíveis e forma de educação, num sistema educacional, que já acho podre e desatualizado há anos, é uma brutalidade no que toca a dar as melhores condições aos alunos. Vejo pais felizes a correr desalmadamente pelo futuro dos seus filhos, por uma educação que muitos não tiveram acesso e um regime de pressão de ter que ser o melhor, fazer o melhor e entender, priorizar toda a informação. Nota importante e apesar de todos os esforços que se possam fazer, a grande maioria desse esforço, infelizmente não será compensada.

O ESFORÇO FEITO PELOS PAIS, A APOSTA  NUM FUTURO PARA OS SEUS FILHOS, INFELIZMENTE NÃO SERÁ COMPENSADA. CULPA: ESCOLA - QUE CRIA SOLDADOS E NÃO ALUNOS.


Na escola, os trabalhos de casa uns atrás dos outros, horas e horas enfiados em cúbiculos, testes atrás uns dos outros e completa falta de foco dos alunos e vontade no que toca a estudar será algo a rever de uma forma inteligente e com capacidade e vontade de mudança.

Estamos a formar na verdade verdadeiras tropas de elite que diga-se de passagem, 70% deles infelizmente não darão em nada. Por muito que doa aos pais, verdade seja dita que de futuro teremos cada vez mais uma sociedade deambulante e descrente, tanto quanto anarquista.

DE FUTURO A SOCIEDADE SERÁ CADA VEZ MAIS DESCRENTE E ANARQUISTA. MAU FUTURO? NÃO! SERÁ O GRITO DA REVOLTA PARA A MUDANÇA.

Mas muito também se deve aos pais, bem como todos que estão associados ao crescimento de filhos e consequentemente também alunos. Pais,  esses grandes senhores e senhoras que do alto do seu posto do estilo: "Enquanto viveres sob o meu teto quem manda sou eu!", não ajudam da melhor forma. Nunca achei que ameaças a um filho através da imposição do medo de: " Opá...tenho de estudar senão vou dormir debaixo da ponte" é o melhor caminho para demonstração de amor. Dirão alguns: É uma forma de amor também! Direi eu: Vão-se foder!

Os pais, alimentam vontades, mimam os seus meninos com toda a panóplia das chamadas novas brincadeiras. É uma forma de compensação para o próprio tempo que muitos pais já nem conseguem dar aos seus filhos. Não culpo os pais na sua totalidade, mas como diria o outro: Se há tempo para estar com amantes, há tempo para amar um filho e de certa forma resume-se assim: As novas tecnologias substituíram o jogo da apanhada, o cabra-cega, o jogar à bola na rua, subir às árvores e tantos outros. Dirão muitos: É o progresso que evidentemente altera as formas de socializar de toda a gente. Formamos na verdade com a denominação cabisbaixa de "Progresso" seres cada vez mais incomuns. 


Oiço os pais todos felizes: " Ahhh o meu filho com dois anos já jogava pokemon e dava likes no TINDER ás gajas boas!" Os meus meninos por este andar vão ser engenheiros informáticos. Não amor...(dá-me vontade de dizer...) os teus filhos são os novos putanheiros, infelizes, safados, de mão em mão, de relação em relação da futura sociedade. Sociedade dos amores fáceis....

Horas em playstacion, facebook, whatsapp, seres cada vez mais industrializados, robotizados e individualizados.  Sem o verdadeiro conceito de união, de amizades fortes e destemidas, de percepção de um mundo onde a informação anda à velocidade da luz e o tempo de pré julgamentos cada vez é mais insensato.

Tudo isto em resumo reflete um novo tipo de sociedade, onde a pressão do capitalismo, da lúxuria, do desejo de ter, de ser, de luta por um propósito está completamente robotizado., transformado e dissociado de verdadeira magia emocional.

As aulas já de nada servem, senão mesmo para em conjunto fechados numa sala se unirem em torno de pequenas brincadeiras e respostas aos professores como: " Hã? O que é isso?".

Que me perdoem esta humilde opinião que muitos poderão dizer ser muito subjetiva e que apenas uma parte funciona desta forma. Certo será dizer que não acontece assim com todos. Pais existem, professores e consequentemente filhos e alunos que equilibram tudo isto que eu posso estar aqui a dizer.

Trata-se de uma opinião generalizada, mas acreditem extremamente verdadeira e atual na nossa sociedade. O que vejo permite-me dizer que as crianças não estão focadas de alegria nos estudos, porque o seu tempo de criança é-lhes roubado. E com isso adaptam-se a um crescimento e forma de estar que os torna pequenos empresários em busca de novos negócios que os possam deixar mais felizes. 


Na escola, para além da intensa panóplia de atividades, estudos, horas fechados, muitas vezes desde as 8:00 da manhã ás 7:00 da noite ( ou até mais tarde, dependendo das horas que podem os pais ir buscar) temos em formação não crianças, mas sim autênticos soldados escolares. A pressão para fazer trabalhos de casa, jantar, comer, dar uma festa no cão e cama...é intensa.  E depois temos os pais que ávidos de ver os seus filhos transformados em génios, esquecem-se da intensa pressão que crianças\adolescentes tem na escola assim como em casa. "Tens de fazer os trabalhos, vai estudar, etc...etc" Normal, dirão vocês desse lado. É o nosso papel! Incutir responsabilidade. Mas como incutir responsabilidade não dando liberdade? Liberdade de pensamento, liberdade de opinião, liberdade de tempo, de brincadeira, de equilíbrio sustentável de todas as partes?

Whatsapp, Facebook, telemóveis são apenas e só a forma direta como nos dizem: "Deixa-me ser criança! Deixa-me brincar!" Mas não há tempo! Não se de tempo dirão muitos! A pressão, as melhorias de nota, a intensa forma como se oferece esta mesma tipologia de aprendizagem a crianças de 11, 12, 13 anos ditam na verdade de de futuro autênticos armas que em determinado tempo se irão virar contra nós.

Revolta-me profundamente ver horários intensos, recheados de atividades da treta e pais todos felizes, porque acham que os seus filhotes se compadecem do esforço que os pais fazem. O que não se percebe é que muitos causam na verdade desequilíbrios estruturais que implica querer a todo o custo robotizar os próprios filhos com lições de " Sê grande, estuda, faz os trabalhos, toma atenção, concentra-te" -

Um sistema de educação que pretende formar verdadeiros génios mas acaba por os industrializar, tornado-os apenas seres que se movem pelos corredores da escola em busca da alegria perdida. Onde estou eu? Perguntam-se tantas vezes! 

A escola não é mais um meio de estudo ( apesar de parecer aos cegos, surdos e mudos), apesar de parecer aos que perdidos no sonho de tornar o seu rebento num futuro presidente, diretor, empresário, medico, arquitecto, advogado ou outro, torna-os sim marionetes de um contexto educacional....descontextualizado.

São raros aqueles que saltam da cadeira aos berros e dizem: " Mamã, papá, finalmente vou poder estudar o mercado financeiro!" 


Os putos na verdade ( e é bem feito!) estão pouco se lixando para a escola ( tirando um caso ou outro que os pais ficam todos felizes com o filho "Nerd" e que se congratulam dizendo: "  My little geniuous you will be the next Saddam Hussein!). 

E só vão lá porque óbvio é dito a estas alminhas que: Se não estudares não vais ser ninguém! Se não estudares como podes ter uma boa profissão? Se não estudares como podes ter dinheiro para comprar boas coisas? Se não estudares....ahhhh puta que pariu!! Já não basta ficarem horas a fio numa escola, com professores que já parecem autênticas grafnolas a falar sobre o mesmo, que não incitam da melhor forma...ainda chegam a casa cansados da cabeça e tem os pais à porta pressionando para fazer trabalhos, estudar. "Where is my fuking time to bread???" devem se questionar tantos!


Os pais às vezes parecem o bicho papão com os seus filhotes! Primeiro dizem que os filhos tem de ser fortes, destemidos, que tem de ter coragem...e depois toma lá tipo:

 "Epá...é assim...traduzindo....não estudas vais acabar com uma agulha espetada no braço num beco do cais do sodré!" A imposição do medo perante uma alminha é a tradução da intensa pressão que a sociedade clama, sedenta de novos mestres industrializados, onde um canudo, conhecimentos, palmadinhas nas costas e facadas intensas os esperam os clamando como grandes, mas na verdade já estão velhos e cansados deste novos.

E não pretendo filhos cansados...pretendo filhos felizes...




domingo, 11 de setembro de 2016

PEDRO CHAGAS DE FREITAS VERSUS BRUNO FERNANDES: A DIFERENÇA ESTÁ NA ATITUDE!



Eu e o Pedro Chagas de Freitas somos dois escritores, com idades aproximadas e imensos seguidores, tanto no facebook, páginas pessoais, assim como no instagram entre outros.


O Pedro por Post colocado, cerca de 15 a 20 mil likes, centenas de comentários a visitas à sua pagina de perfil.

Eu por outro lado que escrevo há tantos anos como ele e o sucesso, reconheço, tem sido ligeiramente mais lento. Vou ainda assim, por post tendo entre 2 a 3 likes e cerca de...1 a 2 comentários ao que escrevo. Portanto não vale a pena estarmos aqui a fazer contas que percebe-se perfeitamente onde reside o talento e o dom da escrita. Obviamente está mais do que visto que o Pedro está anos de luz atrás de mim. 

Devo dizer que acho que a escrita do Pedro é sensível e capaz de seduzir inúmeras mulheres que se revêem no tipo de toque de sensatez e sensibilidade que o mesmo dá a tantos temas, essencialmente no que toca a amor.

Mas quando lançou o livro " Prometo Falhar", nunca pensei que alguém pudesse ter a ousadia de premiar os seus leitores com esta negatividade. Por isso, falei com o Sousa da Pastelaria, grande amigo de há anos que costuma escrever uns versos quando bebe mais do que duas sagres e disse-me: " Não tenhas medo pá! Tu consegues rebater!"

Vai daí e lancei o livro " Prometo acertar". Detesto ver as pessoas perdidas, sentido ou propósito. O meu nível intelectual, o grande guru da auto-ajuda de nascido e criado no bairro da musgueira sul, não podia deixar por mãos alheias uma atitude proativa e sensível com todos os meus leitores e obviamente aqueles que são queridos ao Pedro e se viram numa situação de profundo desalento com este livro de "Prometo Falhar".

Estou aqui para vocês! E a luta continua Pedro!



sábado, 10 de setembro de 2016

CRIANÇAS - MONSTROS QUE OS ADULTOS FABRICAM COM MÁGOAS


"Eu era uma criança, esse monstro que os adultos fabricam com as suas mágoas." - Jean Paule Sartre

Naquele dia de Outubro, coloquei umas roupas na mochila, deixei um bilhete à minha mãe e decidi ir em busca da fábrica dos meus sonhos. A fábrica que revia em mim, como tradução de vida feliz, onde no meu imaginário criara o castelo dos meus sonhos.

A fábrica da intensa felicidade, da harmonia, da família feliz, repleta de risos, carinhos e intensos momentos que me iriam capacitar para uma vida desprovida de mágoas, pesadelos ou intencionalidade de caminhos obscuros que pudessem ou fizessem com que eu caísse num limbo distante. Limbo esse onde sozinho, assustado, infeliz me afogasse eu mesmo nas minhas lágrimas.

Nesse dia de outubro com 14 anos, tinha em mente ser um fardo para uma mãe que sozinha tinha dado tudo de si para a criação do seu filho. Não queria impedir o seu próprio crescimento, reduzir os seus sonhos a pó. Não queria ser o fardo pesado, inibidor de sonhos, objetivos. Não desejava ser peso na balança financeira.

Num pequeno bilhete no alto dos meus 14 anos, apenas disse: " Obrigado por tudo! Agora vai ser feliz porque bem o mereces. Decidi procurar um caminho onde possa mais tarde ajudar-te, porque hoje, não o consigo. Desculpa."

Não tive noção do que tinha escrito. Na altura não tinha. Não me via como um sonho tornado realidade para ela. Não me via como o foco principal de luta, de sobrevivência. Não me via como um legado, onde todos os erros possíveis de serem cometidos por ela, não o seriam por mim. Não queria aprender, não sabia como aprender. Não queria viver enclausurado numa panóplia de indecisões, medos , receios, tristezas, sofrimento, onde apenas uma mãe que do alto da sua luta tentava dizer-me: "Ajuda-me meu filho a suportar o meu sofrimento".

Não! Eu queria sair, queria viver, queria poder ver um mundo, onde tinha quase a certeza que não era assim. Que sofrimento queria eu ou poderia eu suportar? Que egoísta fui! Na ideia existia o sentimento de que a sofrível marca de um pai, mãe ou família, não podia, não devia repassar para os seus filhos.

Não era obrigado a sofrer, a viver o que não queria. Que culpa afinal tinha eu? A comer o que não gostava, a ver amigos que tinham o que eu não tinha? A ouvir o que não queria? Choros, tristezas de uma vida de insucesso? Porquê dessa injustiça? Porque não era tudo igual? Porque não era tudo repartido? Porque uns sofriam choros intermináveis e outros sorrisos eternos?

Deixem-me ser feliz! Era apenas o intuito! Quero brincar, gritar, sair, divertir-me, correr, saltar, sonhar, ter direito a tudo o que outros outros tinham! Eu não pedi nada disto para mim! Não pedimos separações, gritarias, confrontos, jogos de poder, joguetes que somos nas mãos desses adultos, os monstros que do alto dos seus interesses, calculismos, nem se lembram ou relembram que vidas humanas dependem de si. Somos objetos de transferências, de jogos intensos, de ciumeiras de mumificações da alma. Que merda!!! Gritamos nós! Só queremos ser felizes!

Com uma mochila nas costas, pensava eu que fugindo poderia conquistar o mundo. Tinha ouvido falar da felicidade, de amores intensos, de carinhos eternos, de vidas cor de rosa. Cada um no seu quadrado e  no seu mundo e tudo ficaria bem. O meu destino era ser feliz. Esqueci-me eu, que um destino sem aprendizagem era um destino também ele incerto e vazio. 

Nada mais foi como antes. E o antes nunca foi igual ao depois. Dois dias apenas fora de casa e percebi que o mundo não era aquilo que eu idealizava. Dois dias apenas fora de casa e percebi no desespero de uma mãe, que para além da mágoa, dos sofrimentos, das lutas intensas travadas em prol da protecção de um filho, de tristezas, das lágrimas de alegria e da constatação do reencontro, significava que a perda jamais seria ou poderia ser substituída por algum tipo de felicidade, em que a mesma sozinha se pudesse finalmente deleitar sem o seu mais que tudo.

Os caminhos inerentes a pais e filhos são absurdamente para o bem e para o mal sortidos de emoções várias. Sonhamos de uma forma mas somos confrontados com realidades diferentes. Emoções, idealizações, sonhos ou objectivos são brutalmente diferenciados de uns para outros e com isso existe um pagamento crucial, que define muitas vezes quem somos e como somos. Cresces sem querer, de uma forma que nunca pediste. Mas cresces mais forte e a tua abrangência emocional mais diversificada. 

Vivemos de diferentes estados, formas socais, familiares, criações e estados diferenciados de alma e educacionais. Aprendemos a crescer com gritos de revolta, carências, inibições, momentos prazerosos e outros que podemos considerar verdadeiramente diabólicos. 

Somos direta e indiretamente fruto da vida, das vivências, dos problemas, dos sofrimentos. Somos produtos de fábricas autenticamente e em tantas famílias da falta de estrutura, da incapacidade, das falhas, de marcas que não são nossas, mas que carregamos no sangue, mas mais do que isso, na alma e muito mais do que isso nas dores que , invariavelmente nos dotam de outro tipo de olhar. E foi esse olhar que permitiu ser melhor. Permitiu não fugir mais. Permitiu crescer mais forte. Permitiu continuar a viver,  mas acima de tudo permitiu saber perdoar, permitiu que se aprendesse a definir melhor a  humildade, a gerir a bondade, permitiu a estruturar as caixas do teu pensamento com bom senso.

Permitiu conhecer-me melhor os outros e conhecer-me melhor a mim mesmo. O que faço, o que dou, o que sou, como sou é fruto de todos os monstros, mantidos, combatidos, com suor, lágrimas, alegrias e tristezas. Permitiu-me entender que não existem castelos adornados com cores e sabores de intensa felicidade.

Ahhh...que monstros esses de mágoas, de garantias de insucesso, de negatividade, de plena inveja e convicção de que a vida é um antro de incapacidades onde estás condenado a um infortúnio. Que nos permitamos ser gentes das gentes que não souberam ser gente. Que nos permitamos ser e entender que não existe uma obrigatoriedade de ser adulto sem nunca ter podido ser criança. Porque é preciso, é necessário é fundamental aprender a amar os monstros...para sentir o pulsar do mundo como gente.
-Desculpa se não consegui ser a melhor mãe...
-Não chores! Foste sempre a melhor!
-Não fui....não fui...não dei tudo o que desejavas ter! Não tinha bases para que tivesses um crescimento melhor! Desculpa, desculpa....
-Mãe...fizeste o mais importante!
-Como assim?
-Todos os monstros na sua intensa dor são passíveis de retorno com amor...

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

MUITA AREIA PARA O CAMIÃO? FELICIDADE COMPRA-SE COM ATITUDE...


Concerteza que esta expressão já foi ouvida por muitos várias vezes. Por norma é sempre dita em tom de brincadeira, porém alturas existem que a mesma é dita de plena convicção, que nos faz acreditar que na realidade existem pessoas que não podem, não devem ou nunca serão feitas à nossa medida ou melhor dizendo, não temos ou possuímos o pleno das capacidades para as poder ter. E com isso consumar o ato de transformar sonhos loucos em realidades credíveis e sustentáveis.

Sempre achei esta frase de: "Muita areia para o teu camião" injuriosa. Uma blasfémia que carrega em si mesma a total denominação da discriminação do ser. Tu não prestas, não consegues, não tens capacidade, não está ao teu nível e corpos perfeitos não foram trabalhados para andar de mãos dadas com corpos imperfeitos.

Ou ainda as denominadas teorias da conspiração onde o impacto de olhares e julgamentos automáticos te dotam logo à partida como "Persona non grata" para o mundo do marketing da beleza estonteante, do corpo escultural e da própria necessidade criada de ser o melhor...logo...ter o melhor. 

Não gosto da frase exatamente por ter tanto de inibidora como classificadora de status. Como se o status fosse de certa forma o principal dinamizador da proliferação da felicidade.

E não gosto principalmente pela própria decadência que a frase carrega em si numa sublime valorização de um em detrimento do outro.

E porquê? Simplesmente pela idealização que é feita , tida e mantida como uma impossibilidade latente que não está ao alcance.

Esta dedução de que uns valem mais do que outros, que uns tem mais necessidades, carências, experiências, focos, objetivos mais delineados que outros é plausível e perfeitamente perceptível.

Mas existe uma marca latente nesta discriminação do que podemos ter e não podemos ter. É a marca do Status que se carrega. Ora...desculpem...mas...foda-se com o Status! O status levou cantores, filósofos, escritores, atores e afins a mortes plenas de total infelicidade. Drogas, depressões, suicídios, estados de loucura, amores e desamores feitos e desfeitos invariavelmente uns atrás dos outros. Muita areia para o camião? Ohhh...it s the boogie man!

Quando via amigos meus que ouvindo esta frase baixavam lentamente a cabeça como quem diz: " Verdade...não tenho hipótese", corroía-me por dentro. Mas não há hipótese porquê? O que tem a ver o brilhantismo da beleza com a capacidade de uma auto estima elevada, mesmo não estando à altura dos padrões de beleza do outro?

Sempre existiu esta velha denominação de que os padrões certos nesta hierarquização era ficar, namorar, casar com alguém que estivesse na mesma fornada ou intelectual, ou profissional ou até familiar de forma a que com esta visão o equilíbrio assim...seria sustentado.

Existe uma padronização? Óbvio que existe! É limitativa? Óbvio que é! É sustentável como foco de futuro de equilíbrio familiar? Sem dúvida! É traço denominador de plena felicidade? Não!

Então, quando numa roda de amigos alguém nos murmura aos ouvidos: " Não tens hipótese, muita areia para o teu camião", percebe o seguinte:

Hipóteses são apenas deduções meramente irreais. Fruto da imaginação do que pode e não pode acontecer, logo hipótese não é nada mais do que a ideia do vazio. Para pintares uma tela, precisas de tintas, mas só sabes como vai ficar o trabalho de pintura quando finalmente terminares de o pintar.

Por isso mesmo nesta disparidade medrosa que tantos possuem em não se meter porque se acham menos valiosos, interessantes, incapacitados, violados na sua própria condição de auto estima como entregues de imediato ao abandono...dobrem o cabo tormentoso com algo tão simples como...atitude. 

Podes não ser rico, mas podes ser aquele que em dias de inverno estás lá para num abraço apertado te fazeres presente mesmo num silêncio ensurdecedor.

Podes nem carregar contigo os padrões de beleza que tantas e tantos desesperam e suspiram como se do cálice da vida se tratasse...mas embelezarás a vida dela (dele) todos os dias.

Podes não ser o rapaz tatuado que de repente se auto denomina como o Bad Boy da zona e conquistador nato, mas crivares no coração tudo o que significas.

Podes ser tudo mesmo não tendo nada. 

Lembra-te...camiões carregam areia. Bolsos carregam dinheiro. Futilidades carregam desamores.

Se pessoas carregam sentimentos, f
elicidade...compra-se com atitude.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

IRMÃOS METRALHA - BEM VINDO AO SENADO BRASILEIRO




"Nestas Democracias industriais e materialistas, furiosamente empenhadas na luta pelo pão egoísta, as almas cada dia se tornam mais secas e menos capazes de piedade." - Eça de Queirós

Esta destituição da Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, faz-me lembrar o antigo império Romano, onde o grande Imperador Júlio César nas escadas do senado foi morto por 60 senadores que conspiraram a sua morte, incluindo entre eles o seu filho adotivo Marco Julius Brutus.

Michel Temer, faz-me lembrar Brutus e os conspiradores, os 60 senadores, os atuais deputados onde mais de 60% tem em andamento acusações graves em tribunal, como formação de quadrilha, branqueamento de capitais, lavagem de dinheiro, crimes de corrupção, entre outros.

Estes mesmos deputados fazem parte de um senado débil, usurpador da verdade e instigador da desgraça através do levantamento de inverdades e pouca ou nenhuma cultura política. Gritam que nem perdidos com frases e deduções politicas, filosofando sobre o vazio de forma a garantir o seu próprio sucesso nas massas. Esperando que alguém se digne a dizer. " Falou bem!!" Bem haja aqueles que ainda se dignificam a dizer: "Falou bem...mas não disse nada!". Bem haja...aos que pensam!

Aqui deste lado da Europa ninguém tem dúvidas acerca do verdadeiro circo montado para a destituição de Dilma Rousseff. E todos se questionam como é possível?

Os engravatados, estudiosos, filósofos na arte do engano, culpados de crimes em hasta pública como formação de quadrilha, roubos, corrupção, estando nos jornais, revistas, jornais nacionais à mercê dos olhos do povo, levantam a sua mão democraticamente como se estivessem a prestar um grande favor de honra ao povo e ao País. Honra senão a si mesmos na velha arte do "Jeitinho Brasileiro" de ludibriar. São os verdadeiros irmãos metralha na tentativa de roubo da verdade incessantemente.

De dedo em riste, sorriso no rosto, votam "Sim!". Sim à destituição e sim à sua própria manutenção de vendedores de banha de cobra. E o povo aplaude e sai à rua gritando em uníssono "Fora Dilma!". Há que salvar o couro! E salvar a sua própria bunda é contar com o amigo do lado que conhece o juiz X que pode conceder Habeas Corpos, pode conceder imunidade ou até simplesmente salva-lo de uma situação criminosa arquivado o caso. Está tudo bem...

Não se deve criticar o povo. Essa parte do povo que não lê, que não busca, que não sonha com verdades e é ludibriado com mentiras transformadas em ilusões. Não se pode criticar uma percentagem do povo que não deseja pensar por si mesmo, que não se submete a questões, que se limita a ouvir os lobos vestidos em pele de cordeiro e grita " É isso aí!"

Na verdade está e ficou à vista a melhor arte engenhosa do engano e como alterando verdades, fantasiando cenários, gerindo um circo parlamentar, onde 60% é acusado de crimes, se chega como os Estados Unidos chegaram há uns anos, aquando da invasão do Iraque ....a armas de destruição massiva invisíveis...

Ou seja, há que encontrar um álibi, seja para provocar ataques, seja para a manutenção de um corpo de deputados doente, criminoso e desonrado. Que moral é essa, que prevalece na pele do engravatado acusado de crimes, acusar o outro com sentença à destituição sem provas? As provas? Foram todas rebatidas liminarmente e justamente!

Foi justo ter saído Dilma?

Mais justo é manter mais de 60% de deputados acusados de crimes vários e o povo, agora sim...nas mãos do destino destes "Irmãos metralha" que supostamente aniquilam um crime, para manter o seu próprio crime...

E do alto do pedestal...dizem: Bem vindo a um novo Brasil!